quinta-feira, maio 23, 2024
23.7 C
Portel

Greve Uber e 99: confira o que pode mudar para o passageiro 

Motoristas de Uber e 99 realizaram uma
paralisação em diversas cidades do Brasil nesta última segunda-feira (15). Em
São Paulo, cerca 65% da categoria aderiram ao movimento, um volume acima do
esperado, segundo eles.
A categoria reivindica melhores condições de
trabalho e aumento feito pelas plataformas, questões de segurança e outros
pontos. Mas, você já se perguntou de que forma isso pode impactar o consumidor?
Segue a leitura abaixo para entender melhor o que pode influenciar no seu dia a
dia.
Na prática, o que mais pode impactar o
consumidor final são as mudanças nas tarifas, mas depende da decisão das
plataformas
De acordo com o representante da categoria,
desde 2016, ano em que as plataformas de transporte chegaram ao Brasil, não há
reajustes na tarifa para os motoristas, apesar de as corridas terem ficado mais
caras para os passageiros.Leia também:Motoristas de aplicativo param e corridas ficam mais caras
Um motorista reclama. Segundo ele, as
plataformas perderam completamente a transparência. “Antes de 2019, o motorista
pegava uma corrida sabendo quanto o passageiro estava pagando, quanto o
aplicativo iria ganhar e quanto ficaria para ele”. Ele diz que agora, há apenas
uma estimativa para motorista e passageiro, os aplicativos não são claros, mas
acabam ficando com até 60% do valor da corrida.
A reivindicação é que essa taxa destinada aos
aplicativos por intermediar a viagem seja fixa e se limite a 20%. Eles também
pedem que o valor mínimo, para corridas de até 3 km, pago aos motoristas, seja
de R$ 10 e que seja pago R$ 2 por quilômetro adicional
“Atualmente, em São Paulo, o nosso valor
mínimo é de até R$ 5,62 na Capital e R$ 3,75 nas cidades do interior, como
Campinas. O acréscimo por quilômetro rodado está em torno de R$ 0,80. Não dá
para rodar assim, praticamente tudo que a gente ganha fica no posto de
gasolina”, afirma
Eduardo Lima de Souza, conhecido como Duda,
presidente da AMASP explica, na opinião dele, se os novos valores devem ser
cobrados dos passageiros ou das plataformas. “Os passageiros já pagam por
esse reajuste desde 2019, quando as tarifas subiram e o aumento não foi
repassado aos motoristas”, disse ele.
Na prática, se aceitarem as reivindicações,
Uber e 99 precisarão decidir como os acréscimos ficarão com o consumidor ou com
a plataforma
Passageiros já estão sendo impactados
Com a
paralisação de quase dois terços dos motoristas de Uber e 99, a manhã de
segunda-feira foi agitada em São Paulo. Muitos consumidores reclamaram do tempo
de espera para conseguir uma corrida, alto índice de cancelamento e,
principalmente, do preço cobrado pelas viagens.
O presidente da AMASP, explica que o sucesso
da paralisação levou a “tarifa dinâmica” do Uber ao limite, que é R$ 30, o máximo
possível. Isso mostra como havia poucos motoristas na rua. “Alguns lucraram, é
fato, mas foi uma alegria momentânea. Ganharam mais ontem para voltar à realidade
hoje, que é trabalhar o dia todo e não conseguir pagar as contas do fim do mês”,
afirmou
O que dizem as plataformas
A
Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (AMOBITEC), que representa
diversas empresas do setor, afirmou que respeita o direito de manifestação e
informa que as empresas associadas mantêm abertos seus canais de comunicação
com os motoristas parceiros, reafirmando a disposição para o diálogo contínuo,
de forma a aprimorar a experiência de todos nas plataformas.
 Já a 99 disse que “ouvindo e conversando com cerca de 2 mil
motoristas todos os meses, a adotou soluções permanentes para incrementar os
ganhos no app: foi a primeira plataforma a oferecer a Taxa Garantida, que
assegura aos condutores a taxa máxima semanal de até 19,99%”.
A Uber não respondeu aos questionamentos até
o fechamento desta reportagemA paralisação pode ir além: de acordo com a associação, se os pedidos não forem atendidos, deverá evoluir para uma manifestação mais longa.

Fonte: DOL – Diário Online – Portal de NotÍcias 

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO
📢 Quer ficar por dentro das últimas notícias em primeira mão? Não perca tempo! Junte-se ao nosso canal no WhatsApp e esteja sempre informado. Clique no link abaixo para se inscrever agora mesmo:
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas notícias

Acessibilidade