segunda-feira, julho 15, 2024
34.4 C
Portel

Casal negro é agredido em supermercado suspeito de furto

Mais um caso de racismo e violência foi registrado dentro de uma unidade da rede de supermercado Carrefour. Em Salvador, na Bahia, um casal negro foi agredido por seguranças de uma filial da rede de supermercados, em Salvador, na Bahia, na última sexta-feira (5). O casal, que foi identificado com Jamile e Jeremias, foram agredidos após furtarem dois pacotes de leites, que de acordo com eles era para alimentar a filha. A tortura contra os dois foi gravada pelos próprios funcionários. Nas imagens, os dois estão encostados em uma parede, enquanto os seguranças xingam e batem nos dois. Os responsáveis pelas agressões não aparecem no vídeo. Leia mias Mulher de vítima do Carrefour nega oferta de indenizaçãoVítima de racismo, professora tira roupa em supermercadoNa gravação, ainda é possível ver que a mulher, Jamile, segura uma mochila, onde estaria os alimentos furtados. Ela é agredida com tapas no rosto por um dos agentes, que ainda ordena que ela tire a mão da região para não se defender. “Tire a mão sua desgraça”, diz um deles. 
O que diz o CarrefourEm nota neste sábado (6), o Carrefour disse que toda a equipe de seguranças da unidade foi demitida, mas afirmou que “é possível afirmar que o agressor que aparece nas imagens não é funcionário da loja”.  Além disse, informou que um boletim de ocorrência foi registrado na Polícia Civil, que investiga o caso e que a unidade está buscando contato com as vítimas para pedir desculpas e oferecer ajuda psicológica. “É inadmissível que qualquer pessoa seja tratada desta maneira. É um crime, com o qual não compactuamos. Estamos buscando o contato com as vítimas para nos desculparmos pessoalmente, além oferecer suporte psicológico, médico ou qualquer outro apoio necessário”, disse um trecho do comunicado. pic.twitter.com/l5EFLMjrQc— Carrefour Brasil (@carrefourbrasil) May 6, 2023 Outros casos de racismo e tortura em supermercados Desde 2009, a rede de supermercado Carrefour acumula muitos casos de racismo e agressões. Naquele ano, funcionários de uma unidade de Osasco espancaram um homem negro, identificado como Januário Alves de Santana, acusado de ter tentado roubar um carro, no entanto, o veículo era da própria vítima. Em 2020, um dia antes do Dia da Consciência Negra, dois seguranças brancos espancaram e mataram João Alberto Silveira Freitas, um homem negro, acusado de discutir com uma funcionária de uma unidade da empresa em Porto Alegre. Em abril, um caso recente, foi o da professora e atriz Isabel Oliveira, que tirou a roupa em um supermercado da rede Atacadão em protesto contra o racismo, que ela teria sofrido no estabelecimento, localizado em Curitiba, no último sábado (8). A mulher ficou só de roupas intimas para comprovar que ela não havia roubado nada no estabelecimento. 

Fonte: DOL – Diário Online – Portal de NotÍcias 

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO
📢 Quer ficar por dentro das últimas notícias em primeira mão? Não perca tempo! Junte-se ao nosso canal no WhatsApp e esteja sempre informado. Clique no link abaixo para se inscrever agora mesmo:
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas notícias

Acessibilidade