segunda-feira, junho 24, 2024
25.8 C
Portel

Arboviroses: Pará registra redução nos casos de dengue, zika e febre amarela em 2023

O Pará registrou recuo nos casos de dengue, zika e febre amarela em 2023, conforme apontam dados do monitoramento de casos de arboviroses, realizado pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). Foi registrada uma queda de 9% nos casos de dengue em todo o ano passado, em relação a 2022. O balanço aponta, ainda, que as ocorrências de zika caíram 65% no mesmo período e, no caso da febre amarela, não houve nenhum caso no ano passado.

As arboviroses são doenças virais transmitidas principalmente por mosquitos, como o Aedes aegypti. Em todo o ano de 2023, foram 4.485 casos confirmados de dengue no Pará. Os cinco municípios com mais casos da doença confirmados no ano passado foram: Belém (417), Parauapebas (415), Altamira (341), Afuá (210) e Vitória do Xingu (191). Em relação às outras arboviroses, o Pará totalizou os seguintes números no ano passado: zika vírus (14), febre mayaro (25) e febre chikungunya (194).

Com relação à febre do zika vírus, o Estado do Pará registrou 16 casos confirmados, correspondendo ao mesmo número de ocorrências confirmadas no mesmo período de 2021. Os municípios com mais casos confirmados são Santarém (15) e Tucumã (01). As arboviroses são doenças virais transmitidas principalmente por mosquitos, como o Aedes aegypti. 

Orientações

“É necessário eliminar todos os possíveis criadouros de mosquito dentro e fora de casa, pois o Aedes aegypti é um mosquito muito perigoso que pode transmitir doenças graves”, alerta a coordenadora de Arboviroses da Sespa, Aline Carneiro, ao mencionar o período chuvoso em ascensão no Pará, que segundo ela, é o cenário ideal para o aumento significativo nas notificações de casos de dengue.

Segundo Aline Carneiro, a Sespa, por meio do Departamento de Controle de Endemias e da Coordenação Estadual de Arboviroses, realiza ações em conjunto com os municípios oferecendo assessoria técnica, capacitação de profissionais e repasse de insumos quando necessário.

Entre as principais ações realizadas no ano passado, estiveram a contínua execução do Plano de Contingência Estadual de Dengue, Chikungunya e Zika vírus; implantação de 81 salas de situação das arboviroses, sendo 76 municipais e cinco regionais e a supervisão e monitoramento do controle vetorial, assistência e vigilância epidemiológica das arboviroses em Paragominas, Breves, Cametá, Tailândia, Cachoeira do Piriá, São Miguel do Guamá e Bragança.

No mês de dezembro passado, foi realizada a “Semana do Dia D das arboviroses”, que foi realizada no Parque do Utinga e Praça da República, em Belém, que foi um trabalho educativo e divulgação supervisionada pela Sespa em rádios de 32 municípios. “Ressalto ainda que as ações diretas de combate ao mosquito são responsabilidade das gestões municipais”, explica Aline Carneiro.

“É importante que as pessoas com sintomas procurem atendimento, pois esses dados são fundamentais para descrição do cenário epidemiológico e na condução de decisões no fortalecimento das estratégias de vigilância das Arboviroses”, observa Aline, ao ressaltar ainda que as secretarias municipais de Saúde precisam notificar à Coordenação Estadual de Arboviroses até 24 horas os casos graves e óbitos por dengue, chikungunya e zika.

Sinais e sintomas

As manifestações clínicas da dengue, chikungunya e zika são muito parecidas, por isso é importante prestar atenção aos principais sintomas que são: febre alta e de início imediato sempre presente, dores moderadas nas articulações, manchas vermelhas na pele e coceira leve.

Já a chikungunya se manifesta com: febre alta de início imediato, dores intensas nas articulações, manchas vermelhas nas primeiras 48 horas, coceira leve e vermelhidão nos olhos. Já a zika apresenta febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas nas primeiras 24 horas, coceira de leve à intensa e vermelhidão nos olhos.

No Sistema Único de Saúde (SUS), a Unidade Básica de Saúde é a porta de entrada de pacientes com esses sintomas, ou seja, qualquer pessoa que sinta febre alta (acima de 38 graus), dor no corpo e articulações, dor atrás dos olhos, mal-estar, falta de apetite e/ou dor de cabeça deve procurar uma UBS mais próxima.

Prevenção

Quanto à população, a profissional orienta que não se automedique ao aparecimento de sintomas, mas sim, que procure a unidade de saúde mais próxima para atendimento médico e mantenha os seguintes cuidados no seu domicílio.

Veja como se proteger contra as arboviroses

Manter a caixa d’água, tonéis e barris de água bem fechados;
Colocar o lixo em sacos plásticos e manter a lixeira fechada;
Não deixar água acumulada sobre a laje;
Manter garrafas com boca virada para baixo;
Acondicionar pneus em locais cobertos;
Proteger ralos sem tampa com telas finas;
Manter as fossas vedadas;
Encher pratinhos de vasos de plantas com areia até a borda e lavá-los uma vez por semana;
Eliminar tudo que possa servir de criadouro para o mosquito como casca de ovo, tampinha de refrigerante entre outros.
Para solicitar orientações e denunciar a existência de possíveis criadouros de mosquitos, a população deve procurar a Secretaria Municipal de Saúde do município onde mora.

Fonte: Pará – O Liberal.com 

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO
📢 Quer ficar por dentro das últimas notícias em primeira mão? Não perca tempo! Junte-se ao nosso canal no WhatsApp e esteja sempre informado. Clique no link abaixo para se inscrever agora mesmo:
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas notícias

Acessibilidade