sábado, maio 25, 2024
23.2 C
Portel

Criada por Jader, Uepa garante acesso ao ensino superior

Referência em ensino, pesquisa e extensão na Amazônia, a Universidade do Estado do Pará (Uepa) nasceu do desejo do então governador Jader Barbalho de abrir novas oportunidades para que os jovens paraenses tivessem mais acesso ao ensino superior. Trinta anos depois, a Uepa oferta 132 cursos de graduação, distribuídos em 21 campi, sendo cinco em Belém. São 1.295 docentes e 13.573 alunos.
Ao ser homenageado no evento que comemorou os 30 anos da instituição, Jader Barbalho enalteceu o trabalho de todos que ajudaram a construir a universidade ao longo dos anos. “Devemos homenagear aqueles que construíram as faculdades de Medicina, Enfermagem, Educação Física e de Educação, que existiam antes dos 30 anos”, lembrou o senador. A Uepa nasceu da fusão de faculdades estaduais de Enfermagem, Medicina, Educação Física e Educação, abrigadas pela Fundação Educacional do Pará. Em 1993, o governador Jader Barbalho sancionou a lei que transformou a antiga Fundação em Universidade do Estado do Pará.
Na última quinta (18), o senador recebeu a medalha de Mérito Universitário – concedida pela primeira vez pela universidade – em reconhecimento à iniciativa de fazer a fusão das faculdades estaduais que resultou na criação da Uepa. “Quando cheguei ao Governo do Estado, procurei fazer convênios com as instituições federais para levar cursos universitários para o interior, no formato de módulos. E foi essa a inspiração que me levou a criar nossa universidade estadual”, recordou.
“Graças ao formato com que foi criado na época, a instituição tem permitido que milhares de jovens paraenses tenham acesso ao ensino superior gratuito de qualidade”, comemorou o senador.
“É reconfortante poder participar da vida acadêmica da Uepa. Quando vejo a mobilização em todo o país pela manutenção das universidades e instituições de ensino federais, remeto minhas lembranças ao ano de 1993, quando criei a Universidade do Estado do Pará, cujo objetivo era exatamente esse, dar a todo jovem paraense a oportunidade de poder ter acesso ao ensino superior, poder realizar sonhos e transformar vidas, independentemente da classe social, raça ou cor. Essa sempre foi minha meta, meu desejo”, enfatizou o senador Jader Barbalho.Leia também:Uepa comemora 30 anos de criação neste dia 18 de maioMorre o professor de História da UEPA Renato Gimenes
Desde 2015, só podem disputar as vagas do processo seletivo da Uepa, os candidatos que realizarem as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A universidade estadual foi a primeira instituição da região Norte a realizar um Processo Seletivo específico para deficientes auditivos em 2022, após decisão aprovada na 250ª Reunião Ordinária do Conselho Universitário (Consun). Já em 2023, foi realizado o primeiro Processo Seletivo com cotas étnico-raciais, com vagas destinadas a negros e indígenas.
PLANETÁRIO 

|

Texto Auxiliar: Alinhamento Texto Auxiliar: Link Externo: Alinhar à esquerda: Alinhar à direita: Alinhar ao centro: Fullscreen: Fullscreen Exit: Conteúdo Sensível:

  A universidade estadual é uma das mais importantes portas de acesso à formação superior e à produção de conhecimento. Além dos 21 campi, também fazem parte da Universidade o Centro de Ciências e Planetário do Pará, que recebe mais de 35 mil visitas por ano.
Único da região amazônica, criado em 1999, o Planetário do Pará desenvolve ações educativas com o objetivo de difundir, promover e aplicar o conhecimento em Ciências, por meio da interação com os visitantes.
O Planetário do Pará é considerado um dos 10 museus mais visitados do Brasil. Recebe grupos de estudantes desde o ensino infantil até o médio para conhecer as instalações que demonstram na prática o que é aprendido em sala de aula. A maior parte dos estudantes não consegue compreender o porquê de aprender ciências, geografia, física ou astronomia. Assim, eles poderão perceber a ciência de uma forma totalmente nova.
Outra atividade acadêmica que mereceu a atenção do senador Jader Barbalho foi a formação do Liceu de Música do Pará, no município de Bragança, administrado pela Universidade do Estado do Pará, que oferta cursos livres gratuitos em música, como canto coral, flauta doce e formação teórica para bandas.
“O paraense tem a musicalidade no sangue. Temos talentos natos. A qualidade e diversidade dos ritmos regionais é única e criar incentivo é fundamental” reforça o parlamentar que foi responsável pela indicação de uma emenda parlamentar individual no valor de R$ 540 mil, que possibilitou a aquisição de equipamentos e instrumentos musicais para o Liceu de Música.
Os campi da instituição estão presentes nos municípios de Paragominas, Conceição do Araguaia, Marabá, Altamira, Igarapé-Açu, São Miguel do Guamá, Santarém, Tucuruí, Moju, Redenção, Barcarena, Vigia de Nazaré, Cametá, Salvaterra, Castanhal e Bragança. A Uepa presta serviços para a sociedade, como atendimentos em 48 especialidades na área de saúde, com estimativa de mais de 237 mil atendimentos por ano.
A universidade também atua em mais de 70 municípios do Estado por meio de programas como Forma Pará, em parceria com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet); Programa Universidade Aberta do Brasil (UAB) e Programa Nacional de Formação de Professores (Parfor).PARA ENTENDERA universidade 

|

Texto Auxiliar: Alinhamento Texto Auxiliar: Link Externo: Alinhar à esquerda: Alinhar à direita: Alinhar ao centro: Fullscreen: Fullscreen Exit: Conteúdo Sensível:

  – Criada em 18 de maio de 1993, a Uepa resulta da fusão das faculdades estaduais de Enfermagem, Medicina, Educação Física e Educação, por meio da Lei Estadual nº 5.747. Desde então, desenvolve ações de ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Saúde, Educação e Tecnologia. Atualmente, são cinco campi da Universidade na capital e outros nos municípios de Paragominas, Conceição do Araguaia, Marabá, Altamira, Igarapé-Açu, São Miguel do Guamá, Santarém, Tucuruí, Moju, Redenção, Barcarena, Vigia, Cametá, Salvaterra, Castanhal, Bragança, Parauapebas e Ananindeua, sendo esses dois últimos em fase final da construção, com previsão de entrega ainda este ano.A Uepa também está presente em mais de 70 municípios do estado por meio de programas como Forma Pará, em parceria com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet); Programa Universidade Aberta do Brasil (UAB) e Programa Nacional de Formação de Professores (Parfor). Além da educação formal, a Uepa também presta serviços para a sociedade, como atendimentos em 48 especialidades na área de saúde, com estimativa de mais de 237 mil atendimentos por ano. Já as atividades de divulgação e popularização da ciência, desenvolvidas no Centro de Ciências e Planetário do Pará (CCPPA), recebem mais de 35 mil visitas por ano.Ao longo da história, a Uepa adota ações afirmativas para a diminuição das desigualdades sociais, desde o Processo Seletivo de 2015. A Universidade foi a primeira instituição da região Norte a realizar um Processo Seletivo específico para deficientes auditivos em 2022, após decisão aprovada na 250ª Reunião Ordinária do Conselho Universitário (Consun). Já em 2023, foi realizado o primeiro Processo Seletivo com cotas étnico-raciais, com vagas destinadas a negros e indígenas.

Fonte: DOL – Diário Online – Portal de NotÍcias 

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO
📢 Quer ficar por dentro das últimas notícias em primeira mão? Não perca tempo! Junte-se ao nosso canal no WhatsApp e esteja sempre informado. Clique no link abaixo para se inscrever agora mesmo:
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas notícias

Acessibilidade