segunda-feira, julho 15, 2024
34.4 C
Portel

12 anos de prisão: paranse escapa da morte na Indonésia

Nesta terça-feira
(23), o Ministério Público da Indonésia descartou a possibilidade de pena de
morte ou prisão pérpetua e pediu 12 anos de prisão para a brasileira presa no
país por tráfico de drogas. A audiência para as alegações finais da defesa está
marcada para a próxima terça-feira (30).
A família da paraense Manuela Vitória de Araújo Farias, de 19
anos, presa no presídio feminino de Kerobokan sob a acusação de tentar entrar
no país com 3,9kg de cocaína, temia uma possível condenação à prisão perpétua
ou pena de morte.
Na tentativa de tentar livrar
a cliente dessas punições, o advogado Davi Lira da Silva, que auxilia os
familiares em Belém, alega que Manuela foi usada como “mula” por uma
organização criminosa de Santa Catarina, e não sabia o que levava nas malas ao
desembarcar no Aeroporto Internacional de Bali, no dia 31 de dezembro.Leia também:Brasileira presa por tráfico é condenada na TailândiaBrasileira presa por tráfico é condenada na Tailândia
Segundo o defensor, mesmo
recebendo a promessa de que receberia aulas gratuitas de surfe em Bali, a
paraense teria tentado desistir da viagem. No entanto, voltou atrás ao ser
informada de que teria que quitar uma dívida de R$ 20 mil, uma vez que as
passagens aéreas e as aulas já estariam pagas.
A Indonésia é
um dos 33 países no mundo que utilizam pena de morte para
pessoas que cometem crimes relacionados às drogas.
Em 2015, dois
brasileiros foram executados por fuzilamento na Indonésia por tráfico
internacional de drogas. Marco Archer Cardoso Moreira, de 53 anos, que havia
sido preso em 2003, com 13,4kg de cocaína escondidos em uma asa delta, foi
executado em janeiro daquele ano. Já Rodrigo Muxfeldt Gularte, de 42 anos, foi
morto em maio, 11 anos depois de ter sido preso com 6kg de cocaína em uma
prancha de surfe.Relembre o casoA prisão de Manuela ocorreu na virada do ano, no aeroporto Internacional de Bali, na Indonésia.O chefe da polícia de Bali, inspetor-geral Putu Jayan Danu Putra, afirmou, em entrevista coletiva nesta sexta-feira (27), que, inicialmente, os oficiais da Alfândega e Impostos do aeroporto suspeitaram de cidadãos brasileiros que chegaram usando um avião da Qatar Airways.Os policiais verificaram imediatamente as duas malas trazidas pela mulher.Segundo ele, na primeira mala foram encontrados dois pacotes de cocaína, cada um com peso líquido em torno de 990 gramas e 637 gramas.Já na segunda mala, foram encontrados três pacotes de cocaína, cada um com peso líquido de 891 gramas, 711 gramas e 379 gramas.O diretor de pesquisa de drogas da polícia de Bali, Kombes Iwan Eka Putra, disse que a brasileira estava sendo usada por redes de tráfico de drogas em seu país. Segundo ele, a mulher afirmou não saber quais pacotes havia nas duas malas.

Fonte: DOL – Diário Online – Portal de NotÍcias 

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO
📢 Quer ficar por dentro das últimas notícias em primeira mão? Não perca tempo! Junte-se ao nosso canal no WhatsApp e esteja sempre informado. Clique no link abaixo para se inscrever agora mesmo:
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas notícias

Acessibilidade